Nos anos anteriores, tínhamos a previsão de acolhimento para até 60 crianças e adolescentes, do sexo masculino, com idade de 06 a 18 anos, contando com 03 casas lares; porém com o objetivo de se adequar à nova tipificação nacional da lei de acolhimentos, que prevê 20 acolhidos por casa, a Fundação, após várias rodas de conversa entre conselheiros, funcionários e meninos, optou em fazer a mudança das casas: encerrando as atividades da “Casa 4” (mais distante da sede), adequando a estrutura da “Casa 2” e efetuando a mudança de casas.

Com essa mudança, a Fundação conta com espaço físico de 02 casas, com capacidade de acolhimento para 20 crianças e adolescentes em cada uma, totalizando 40 acolhidos para 2017.

Além das duas casas em funcionamento, a estrutura física da Chácara contempla: refeitório, salas de convivência, salas administrativas, ginásio de esportes, anfiteatro, biblioteca, laboratório de informática, garagem, almoxarifados, depósitos e a “Casa do Ser”, onde são desenvolvidas as atividades pedagógicas, voltada para a educação escolar.

As crianças e adolescentes são acolhidas na Fundação via ordem judicial.

Uma vez acolhidos, os meninos são encaminhados a receber os atendimentos necessários, caso a caso, e a frequentar a educação formal. Sendo esta a principal exigência para permanência dos meninos na Chácara, seguida da participação nas atividades pedagógicas e formação profissional.

O retorno dos adolescentes para suas famílias ou mesmo constituição de sua independência financeira seria o último passo, mas pode acontecer em qualquer momento da permanência do menino enquanto acolhido, neste caso serão abertas vagas para outros adolescentes.